quinta-feira, 22 de setembro de 2011

COMPROMETIDOS COM O EVANGELHO



   Desde há muito somos conheciedos como evangélicos, ou seja, como pessoas que crêem no Evangelho, que aceitam o Evangelho, seguem-no, com ele se identificam  e estão comprometidos.
   Evangelho significa o conjunto de boas novas, boas noticias que o Cém tem enviado para a Terra, mediante a Pessoa augusta do Senhor Jesus.
   O Evangelho  não é uma teoria para ser discutida, senão uma mensagem para ser crida, Mc 1.15.
   Quem crê no Evangelho é, pelo Espírito de Deus, compelida a servir a Deus no Evangelho, Rm 1.9; Fp 2.22, e nele trabalhar em favor dos que não o conhecem, Fp 4.3.
   O Evangelho não precisa de intelectuais ou de empresários para fazerem dele uma empresa humana. Precisa, sim, de cooperadores fiéis I Ts 3.2, que o façam expandir-se por todo o mundo, através do ministério da pregação, Mc 16.15.
   A Obra Missionária é a difusão do Evangelho, aqui, ali e além. Ela começa quando as pessoas chegam às outras no Evangelho, II Co 10.14.
   Evangelho não significa um kit de ordenanças, impossíveis de serem execdutadas Ed produtoras de consciências sempre cheias de remorsos, pois ele é o Evangelho  da graça de Deus, At 20.24.
   Evangelho não é a glorificação do homem, não é a deificação da criatura, não faz a apologia do humanismo, pois ele é o  Evangelho da glória de Deus, II Co 4.4.
   O Evangelho se destina aos miseráveis, aos perdidos, aos espiritualmente destruídos, pois é o Evangelho da salvação, Ef 1.15.
   Ele é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê (*Rm 1.16), porque não é palavra de homens mortais, senão o Evangelho do Filho de Deus, Rm 1.9;
   O mundo está mergulhado na violência, no ódio e na guerra por ignorar o Evangelho da paz, Ef 6.15.
   De tal maneira Paulo se comprometeu com ele que chegou a denominá-lo de nosso evangelho, II Co 4.3.
   A Igreja não pode esquecer de anunciar aos homens o amor do Evangelho, Mc 8.35; 10.29,
Os pregadores precisam ocupar-se de proclamar as bênçãos do Evangelho, Rm 15.29. Como resultado dessa pregação os ouvintes alcançam a fé do Evangelho, Fp 1.27.
  Essa fé permite que as pessoas deixem o mundo de trevas, de escuridão espiritual inominável e mergulhem, felizes, na luz do Evangelho, II Co 4.4. Na linguagem bíblica mentira é treva, verdade é luz. Daí a necessidade de conduzir os homens para a verdadeira luz que é a verdade do Evangelho, Gl 2.5, 14.
   Que os púlpitos não sejam usados para promover artistas, exaltar personalidades, promover calouros, senão para testemunho e defesa do Evangelho, At 20.24; Fp 1.17.
   Quando todas as esperanças pertinentes ao mundo murcharem, restará a esperança do Evangelho,  I Co 9.23. Que nela – e nele estejamos confirmados, Ef 6.19, sabendo que isto produzirá o proveito do Evangelho, Fp 1.12.
   Assim seja, sempre e sempre, para glória do nome de Cristo, principio e fim do Evangelho, Mc 1.1.

3 comentários:

Pb. Glauko Santos disse...

Ao Senhor Deus, Autor do Evangelho, seja toda a glória, louvores, adoração e honra, sempre e para sempre!

Que realmente as idealizações não ofusquem os corações dos pregadores do Evangelho, assim como eles percebam que o foco da atenção e a direção para a fé são o Evangelho.

Pensando bem, que o ilusionismo artístico desapareça da mente e do coração de "faladores" que acessam os púlpitos, e apareça cada vez mais a mensagem genuína e legítima do Evangelho com demonstração de Seu poder para salvação dos homens.

Glória a Deus pelo Seu Evangelho !

Centro de Educação Teológica e Evangelística Shekinah- Diretor: Pastor Sandro Gomes disse...

Concordo com o notável evangelista D. L. Moody quando diz: "Eu não creio que haja uma palavra tão pouco entendida como a palavra evangelho." Infelizmente tem pregador que está ministrando mensagens extraídas de evangelhos apócrifos. Em suas mensagens não usam de ética quando citam algum historiador. Pregam um pseudo evangelho ,"cuidando que a piedade seja causa de ganho." Assim aconselha Paulo ao jovem ministro Timóteo: "Aparta-te dos tais." (2 Tm 6.5).

Louvo ao Eterno pelos genuínos pregadores que anunciam as boas novas com fidelidade e "não andando com astúcia nem falsificando a palavra de Deus...". (2 Co 4.2).

Preguemos o autêntico evangelho!

Blog do pregador. disse...

Concordo prenamente. Precisamos voltar a época dos grandes evangelistas, que estão substituidos pelos chamados pregadores avivalistas. O mundo clama pela genuína mensagem do evangelho da curz de Cristo.