segunda-feira, 25 de outubro de 2010

REFLEXÕES SOBRE O DESAFIO DA EVANGELIZAÇÃO


1. O último capítulo da segunda epístola de Paulo a Timóteo contém lições que o tempo jamais apagará.

2. Paulo menciona seus sofrimentos, lutas e aflições; seus amigos, os verdadeiros e outros. E também faz menção do julgamento futuro.

3. Timóteo foi privilegiado com os conselhos de Paulo, que o exortou a manter-se firme e fiel na carreira cristã, 2,17; 3.8-9.

4. Este capitulo final da Epístola indica um profundo desejo no coração de Paulo de que a obra por ele iniciada não sofresse solução de continuidade.Que Timóteo lhe desse a devida continuidade.

5. Uma das razões desta grande necessidade de perseverança na fé, no ministério e no labor evangelístico é precisamente a realidade da Parousia, a volta do Senhor Jesus, como vemos nos versos 1 a 8.

6. Paulo exortou Timóteo a perseverar na continuação da obra evangelizadora. Divulgar o Evangelho de Cristo para Paulo era a prioridade maior.

7. Não é herético declarar que Jesus ainda não veio porque não concluímos a missão constante da Grande Comissão.

8. A vinda de Jesus está intima e profundamente ligada à Evangelização.

9. Primeiro, porque ela busca reunir mais pessoas para aquele grande dia. Segundo, porque um galardão está anunciado para recompensar as nossas obras. Terceiro, porque isto corresponde inexoravelmente ao grande chamado que recebemos do Espírito Santo e do Senhor Jesus.

10. O retorno de Cristo é algo inevitável. Nosso trabalho evangelizante também deveria ser.

11. O senso de responsabilidade de Paulo o impelia a pregar o Evangelho e tentar ganhar almas para Cristo até o último dia.

12. Somente pessoas assim podem dizer o que ele disse: “Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé; a partir de agora a coroa da justiça me aguarda, que o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia, não somente a mim, mas também a todos os que amam a sua vinda.”

13. São realmente grandes e profundas as implicações escatológicas da Evangelização.

14. Não são apenas os perdidos que lamentarão o fato de não ter ouvido a voz do Evangelho. O próprio Deus pode apresentar-Se como testemunha. Leia atentamente II Rs 17.13 e Sl 50.7.


15. Por que os pregadores não são mais aguerridos no afã de conquistar as almas?

16. Por que tantas vezes nos esquecemos de nossa motivação maior.

17. O Senhor nos ajude, nos estimule e nos fortaleça, a fim de que cumpramos fiel e definitivamente a carreira que nos foi proposta.









3 comentários:

Igor Gabriel disse...

Pastor, aqui é o Igor da Imagem Cristã... muito boa essa postagem, penso oexatamente igual ao senhor sobre esse assunto. Deppois se o senohr tiver tempo, da uma lida la no nosso blog... http://pensandosobluz.blogspot.com/2010/10/obras-que-nao-justificam-nossa-fe.html

paz

Mar disse...

Paz amado veja que motivação dessa garota em evangelizar mesmo com problema de Saude que naceu seu amor pelas almas e a Jesus me vez refletir.
http://www.youtube.com/watch?v=igu7PlChAmc&feature=player_embedded

Pb. Glauko Santos disse...

Prezado amigo e irmão em Cristo, Pastor Geziel:
Paz seja com o querido e amado irmão no Senhor.
Evangelizar é uma premente necessidade da qual se precisa estar sensível a sua urgência e objetivos.
Não por saudosismo. Mas as boas recordações possuo daquelas frequentes cruzadas evangelísticas no Campo de São Cristovão e na Quinta da Boa Vista,RJ.
Por todas as vezes a mensagem evangelizante impactou aquelas almas ouvintes naquelas ocasiões. Por algumas vezes em algumas servindo como "introdutor" tive o imenso privilégio de ouvir o saudoso Ev. Bernard Johnson, o Pr. Beutmuller, o senhor e outros de uma geração impactante na evangelização com o foco especialmente direcionado para conquistar almas para o reino de Deus.
Que muitos servos de Deus hoje possam enxergar os campos brancos e sairem de quatro paredes com a mensagem evangelística e evangelizante.
PbGS - Pb. Glauko Santos.